quinta-feira, 29 de setembro de 2016

THE ARTS IN BRAZIL - PIETRO MARIA BARDI - LIVRARIA GIBRAN CALIL ATALLAH




ESTA OBRA NÃO SE FAZ, MAIS, CONSTAR DE NOSSO ACERVO 



P. M. Bardi
“THE ARTS IN BRAZIL”

A New Museam At São Paulo -

Milano
Edizioni Del Milione
1956

296 páginas
The Arts in Brazil: A New Museum at São Paulo
Versão para o ingles por
John Drummond
Ourselves and the Past, I, 297 pp., 439 ill. (57 in Color),
Milan
Edizioni del Milione



Mayra de Camargo Rodrigues
Luciano Migliaccio
O objeto deste TFG são algumas das exposições realizadas por Lina de 1959 à 1985: Bahia no Pavilhão Bahia, São Paulo (1959);Nordeste no MAP, Salvador (1963).A mão do povo brasileiro, no MASP(1969). As quatro do Centro de Lazer SESC Fábrica da Pompéia entre 1982 a 85: Design no Brasil: história e realidade; Mil brinquedos para a criança brasileira; Caipiras, capiaus: pau-a-pique e Entreato para crianças.
As exposições são vistas aqui como parte do trabalho de Lina no campo da arquitetura, principalmente a partir da noção de projeto.Os espaços das exposições de Lina, assim como a arquitetura de seus edifícios, sempre possuem um projeto, um desenho que expressa um desejo,desde os elementos utilizados para expor os objetos, como suportes, painéis, armários, caixotes, andaimes e vitrines, ao próprio espaço da exposição a arquitetura da exposição. A atuação de Lina nessas exposições é ampla, envolvendo desde a idealização até o projeto e a montagem, atingindo resultados de grande coerência.
"Bahia" é preparada por Lina e Martim Gonçalves em Salvador e trazida para São Paulo durante a V Bienal Internacional.O universo ligado à Bahia torna-se o centro dessa exposição: suas cidades,sua arquitetura,festas,crenças,arte popular,culinária,música,objetos do cotidiano e sua população que vêm representados de diversas formas,seja por fotografias,pela presença dos objetos ou pela recriação de um ambiente que os situam na realidade.
"Nordeste" surge como parte de um amplo projeto cultural e político de Lina para a forma como deveria se desenvolver um desenho industrial e a indústria no Brasil,através da criação do Museu de Arte Popular do Unhão e de seus centros de Documentação sobre Arte Popular e de Estudos Técnicos do Nordeste.O programa reunia além de um museu, as oficinas do Unhão; projeto de uma escola, que tinha como perspectiva o desdobramento em uma Universidade Popular, fundada na valorização da experiência artesanal (ou pré-artesanal) já existente no Nordeste. Assim, o material reunido revela o esforço de um levantamento por todo o Nordeste.No primeiro pavimento é apresentada em grandes armários e caixotes, como encontrado nas feiras e mercados populares, a multiplicidade do conjunto dos objetos. No térreo, estão as carrancas do Rio São Francisco, os ex-votos, as imagens de santos, apresentados em suportes que tendem a isolá-los mais do que apresentá-los como um conjunto.
Em "A mão do povo brasileiro" apresenta-se através de um mesmo suporte que é reorganizado diante dos objetos que deve expor, inúmeros elementos do mobiliário, instrumentos, adornos, vestuário, cerâmica, esculturas, figuras religiosas e brinquedos realizados no Brasil. Objetos que são colocados lado a lado e misturados no espaço da exposição, sem uma separação clara, mas mostrados como conjunto.
Design e Mil brinquedos, além de apresentarem os objetos antigos, como nesta exposição A Mão, abrem espaço para a mais recente produção industrial. As quatro exposições do SESC possuem uma particularidade pelo fato de não se realizarem em um contexto de museu,mas sim em um Centro de Cultura e Lazer projetado por Lina, situação que permite uma maior relação entre as exposições aos conceitos presentes na arquitetura da Fábrica da Pompeia.
Nessas duas primeiras exposições é possível dizer que existe uma espécie de separação no espaço entre a produção "antiga-artesanal" e a "recente-industrial", apesar de uma se encontrar espacialmente ao lado da outra.Na exposição Design, no início estão os objetos artesanais e ao fundo os produtos industrializados e o design gráfico. Assim, como a exposição Mil brinquedos que de um lado apresenta os brinquedos antigos e de outro os industrializados.
Em "Caipiras,capiaus:pau-a-pique" a relação "artesanal"-"industrial" é dada não pela presença simultânea dos elementos artesanais e industriais, como ocorre nas outras exposições, mas sim pela realização de uma exposição que recria os aspectos da vida do interior rural de São Paulo e Minas Gerais inserindo-os no contexto urbano-industrializado do Centro de Lazer em São Paulo. Ai são construídas as casas de pau-a-pique, o forno a lenha e o alambique pelos habitantes dessas regiões que foram trazidos ao SESC para montar a exposição à maneira como organizam sua vida. O interior das casas foi ambientado com seus objetos, assim como a venda, o paiol e a capela.
"Mil brinquedos" estimula uma aproximação entre exposição e arquitetura do SESC, visto que o tema dos brinquedos permite explorar um caráter lúdico da exposição ligado a brincadeira e ao universo infantil que também está presente nas intenções presentes na arquitetura do SESC. Elementos como o Carrossel e a Bóia, ao fundo da exposição, que podem ser utilizados para brincar, iniciam um relação muito mais ativa entre freqüentador e exposição.
"Entreato para crianças" investigou-se a ligação das crianças com os bichos, que se tornavam grandes brinquedos para a experimentação livre das crianças, que podiam entrar, atravessar, subir, descer, brincadeiras que possibilitavam uma grande interação entre o universo infantil e dos animais.
O fato de Lina ser neste momento a diretora cultural da unidade permite a criação de uma programação cultural muito coesa que explora as potencialidades do espaço e dos elementos criados na arquitetura do SESC.
As exposições propõem novas maneiras de se relacionar com os elementos que diariamente convivemos chamando à necessidade de tomarmos consciência de seus significados, seja dos objetos, dos brinquedos, dos animais, da história e do presente.


BARDI, P. M.
Published by Milione, Milan (1956)
Used Hardcover
Quantity Available: 1
From: (New York, NY, U.S.A.)
Item Description: Milione, Milan, 1956. hardcover. Book Condition: very good. Dust Jacket Condition: good. Translated by John Drummond. 439 illustrations including 57 color plates. Square 4to, light blue cloth, d.w. (worn). Milan: Milione, 1956. Very good. Bookseller Inventory # 42460
  BARDI, Lina Bo; GONÇALVES, Martim. Exposição Bahia, Habitat, São Paulo, n.56, 1959
  ______ e GONÇALVES, Martim. Bahia, esposizione a San Paolo, Domus, Milão, n.364, mar. 1960
  ______. Apresentação da Exposição Nordeste (datilografado). Salvador, Arquivo do Núcleo de Museologia do Museu de Arte Moderna da Bahia, [1963]
  ______. Apresentação da Exposição Nordeste (datilografado). Salvador, Arquivo do Núcleo de Museologia do Museu de Arte Moderna da Bahia, [1963]
  ______. Civilização do Nordeste. Bahia, novembro de 1963. Texto de apresentação da Exposição Civilização do Nordeste no Solar do Unhão. In: Mirante das Artes, São Paulo, n.6, nov.-dez. 1967
  ______. O novo Trianon 1957-67, Mirante das Artes, São Paulo, n.5, set.-out. 1967 In: RISÉRIO, Antonio. Avant-garde na Bahia. São Paulo: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi,1995, p. 247
  ______. Cinco anos entre os brancos. O Museu de Arte Moderna da Bahia [escrito na Bahia em 1964], Mirante das Artes, São Paulo, n.6, nov.-dez. 1967, p.17 In: FERRAZ, Marcelo [org.] ; BARDI, Lina Bo. Lina Bo Bardi. São Paulo: Instituto Lina Bo e Pietro Maria Bardi, 1993, p.161
  ______. A mão do povo nordestino, Arte Vogue, São Paulo, n.2, 1977
  ______. As opções culturais do design, Senhor, n.13, abril de 1979, p.110-111
  ______. (Editora e diretora). Habitat-Revista das Artes no Brasil, São Paulo, n.1-9, 1950-1952
  ______ e BARDI, Pietro Maria (Diretores). Habitat-Revista das Artes no Brasil, São Paulo, n.14-15, 1954
  ______. Página Dominical Crônicas de arte, de história, de costume, de cultura da vida. Arquitetura Pintura. Escultura. Artes Visuais. Diário de Notícias de Salvador, 1958
  FERRAZ, Marcelo [org.] ; BARDI, Lina Bo. Lina Bo Bardi. São Paulo: Instituto Lina Bo e Pietro Maria Bardi, 1993, p.158
  SUZUKI, Marcelo (org.), BARDI, Lina Bo. Tempos de Grossura: o design no impasse. São Paulo: Instituto Lina Bo e Pietro Maria Bardi, 1994
  RISÉRIO, Antonio. Avant-garde na Bahia. São Paulo: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi,1995, p. 248.
  BARDI, Pietro Maria. The Arts in Brazil: a new museum at São Paulo. Milan, Italy: Edizioni del Milione, 1956. Traduzido do italiano para o inglês por John Drummond
  ______. O programa do MASP, Mirante das Artes, São Paulo, n.7, jan.-fev. 1968
  ______. MASP novo, Mirante das Artes, São Paulo, n.11, set.-out. 1968
  ______. História do Masp. São Paulo: Instituto Quadrante, 1992
  OLIVEIRA, Olivia de. Lina Bo Bardi : sutis substâncias da arquitetura. São Paulo; Barcelona : Romano Guerra: Gustavo Gili, 2006
  PEREIRA, Juliano Aparecido. A ação cultural de Lina Bo Bardi na Bahia e no Nordeste. São Carlos: [s.n.], 2001. Dissertação de Mestrado apresentada a Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo. Orientação Prof. Dr. Renato Luiz Sobral Anelli
  REQUIXA, Renato. O design no Brasil: uma exposição e seu espaço, Valbrarte, São Paulo, n.2, out. 1983
  ROCHA, Glauber. MAMB não é Museu: é escola e Movimento. Por um arte que não seja desligada do homem, Jornal da Bahia, 21 de setembro de 1960. Arquivo do Núcleo de Museologia do Museu de Arte Moderna da Bahia
  RUBINO, Silvana. Rotas da modernidade: trajetória, campo e história na atuação de Lina Bo Bardi. Campinas: [s.n.], 2002. Dissertação apresentada ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Orientação Prof. Dr. Antonio Augusto Arantes Neto.
  SUZUKI, Marcelo (org.); BARDI, Lina Bo. Tempos de Grossura: o design no impasse. São Paulo: Instituto Lina Bo e Pietro Maria Bardi, 1994
  ZEIN, Ruth Verde. Fábrica da Pompéia, para ver e aprender, Projeto, São Paulo, n.92, out. 1986, p.44-60
  ZEVI, Bruno. A arte dos pobres apavora os generais, Revista da Civilização Brasileira, n.2, maio 1965. Traduzido do L'Espresso de Roma, março 1965 [artigo publicado quando o governo brasileiro impediu a realização da Exposição Nordeste na Galleria d'Arte Moderna em Roma]
  BAHIA. Exposição no Parque do Ibirapuera, São Paulo, Brasil, 1959. [Bahia]: [s.n.], 1959. Parque do Ibirapuera, São Paulo, 1959. Folheto de Exposição. Textos de Jorge Amado, Lina Bo Bardi e Martim Gonçalves. Arquivo do Núcleo de Museologia do Museu de Arte Moderna da Bahia. In: Habitat, São Paulo, n.56, 1959
  O DESIGN NO BRASIL: história e realidade. São Paulo: SESC - Fábrica Pompéia, MASP, 1982. Centro de Lazer SESC Fábrica Pompéia, São Paulo, fevereiro a julho 1982. Textos de Pietro Maria Bardi, José Mindlin e Alexandre Wollner. Catálogo de Exposição
  MIL BRINQUEDOS PARA A CRIANÇA BRASILEIRA. Lina Bo Bardi et al. montagem. São Paulo: SESC - Fábrica Pompéia, MASP, 1982. Centro de Lazer SESC Fábrica Pompéia, São Paulo, dezembro 1982 a julho 1983. Texto de Pietro Maria Bardi. Catálogo de Exposição






pv 100


 fale com nossa diretoria

LÍBANO MONTESANTI CALIL ATALLAH
DIRETOR DE IMAGEM PÚBLICA 

WWW.TVARTPONTO.COM

ENTRE EM CONTATO CONOSCO

______________________________________________________
______________________________________________________
Líbano Montesanti Calil Atallah